11.1.18

Carabineiros

Estreei o primeiro almoço de dois mil e dezoito no clube com o meu confrade Gonçalo. Falámos de Camus, de Tàpies, de Quignard, de Cela, dos Marías, pai e filho, dos Mahler, Gustav e Alma, de van der Rohe, de Bauhaus, de Camilo, de Flaubert, de Goya, de Eça, de Borges, de Casares, das irmãs Ocampo, de Matisse, de Picasso, de Gardiner, de Furtwängler, de Bachman, de Pavese, de Gayman, de Marais, de Foster Wallace, de arquitetura portuguesa e realismo francês e poesia espanhola e design alemão, de cidades em três continentes e dois hemisférios. 

Os carabineiros também se recomendaram.