15.5.17

As nossas próprias histórias

Todos os dias juntamos fragmentos às nossas próprias histórias, todos os dias, sem dúvida, lhes retiramos fragmentos. É um trabalho incessante, este, o de dar sentido ao que vivemos. Juntamos areia húmida sobre a seca, que se esboroa por baixo. As nossas próprias histórias são o resto da areia que o vento do nosso esquecimento não levou. Um dia, a areia secará de todo, e as nossas próprias histórias serão apenas um montículo, e depois, nada.